Cervejaria Usa Display Holográfico Para Divulgar e Surpreender os Clientes

Se o mercado de cervejas artesanais vem crescendo vertiginosamente no Brasil – em 10 anos, fomos de 70 para 700 novas fábricas – as cervejarias têm usado o potencial criativo para criarem identidade e posicionamento. Um dos exemplos maisproeminentes do mercado brasileiro é a Cervejaria Pratinha, de Ribeirão Preto - SP, que, além de 28 medalhas em 7 diferentes concursos no mundo, vem conquistando o público pelo DNA marcado pela disrupção.

O mais recente projeto é o conteúdo interativo para um display volumétrico que produz imagens holográficas de alta qualidade voltado para a apresentação de produtos nos pontos de venda.

O Looking Glass é um equipamento que permite receber este conteúdo e foi apresentado na Siggraph, - maior e mais importante evento de computação gráfica e mídias interativas do mundo – em Los Angeles, entre os dias 28 de julho e 01 de agosto. O conteúdo desenvolvido para “rodar” neste equipamento foi desenvolvida no Beer Hack Lab, o laboratório de inovação da Pratinha.

A tecnologia apresenta imagens tridimensionais holográficas e permite interação com o consumidor através de touch screen e reconhecimento de gestos. A impressão é de que a cerveja é real e está bem ali, na frente do cliente.

“É uma experiência com a marca no PDV que surpreende, desperta curiosidade e a vontade do consumo imediatamente. Pensamos em utilizar isso não só como forma de divulgação no PDV mas como uma mídia para interagir com o consumidor e evoluir para uma venda online”, explica José Virgílio Braghetto Neto, sócio e diretor da Cervejaria Pratinha.


Apresentado no Mondial de La Biére

O projeto de holografia da Pratinha também foi lançado no Brasil durante o Mondial de la Bière, no Rio de Janeiro, entre os dias 4 e 8 de setembro. A Pratinha esteve presente no evento como convidada da Cervejaria Colorado e com os rótulos Birudô (Witbier) e a premiada Culotte de la Duchesse (Red Flanders Ale).

Beer Hack Lab

Em pouco tempo, a Pratinha já colocou em prática diversos projetos com foco em inovação tecnológica e sustentabilidade prática. E a ciência tem um destaque especial na cervejaria: desde a fundação da fábrica, um laboratório exclusivo é dedicado ao desenvolvimento de estudos, experimentos, protótipos de cervejas e novas tecnologias. O Beer Hack Lab também é aberto à visitação pública aos sábados, como parte do Tour Pratinha.

É dentro do Beer Hack Lab onde ideias são colocadas em prática, como o uso de energia solar e um foto biorreator de algas, além do tratamento de 100% do resíduo orgânico gerado na criação das receitas.

Mais recentemente, a Pratinha também causou alvoroço nas redes sociais ao lançar, durante o Mondial de la Bière em São Paulo, a Magic Booze, uma bebida alcoólica mista e ultra concentrada feita à base de cerveja artesanal. As primeiras mil unidades esgotaram em apenas 24 horas e um novo lote está sendo preparado para pré-venda em http://magicbooze.cervejariapratinha.com.br/. A bebida é considerada um ponto-chave na revolução do transporte e armazenamento de cervejas.

Já o B33r3d, iniciativa voltada para o público cervejeiro geek, é um projeto de impressão 3D através do qual foi desenvolvido um filamento biodegradável com resíduos de produção das cervejas e P.L.A (ácido poliláctico, um polímero feito de amido de milho). No site http://b33r3d.cervejariapratinha.com.br/ é possível também baixar gratuitamente projetos de acessórios cervejeiros para serem impressos em casa.

“Além do padrão de excelência das nossas cervejas, prezamos também pelo papel no desenvolvimento sustentável e tecnológico do setor. A Pratinha sempre se portou como uma startup e os frutos de todo este trabalho já estão sendo colhidos”, explica José Virgílio Braghetto Neto.


Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados