Definidos novos padrões para a fabricação de cervejas brasileiras

Produção de Cerveja -

Definidos novos padrões para a fabricação de cervejas brasileiras

No dia 11 de dezembro o Ministério da Agricultura divulgou uma Instrução Normativa (IN Nº 65) que estabelece novos critérios de qualidade e identidade das cervejas que são fabricadas em território nacional.

Publicado no “Diário Oficial da União”, o texto traz padrões de rotulagem, classificação e denominação, além dos ingredientes que podem ou não ser usados durante a fabricação.

A quantidade de malte que precisa estar presente não mudou, portanto, a cerveja brasileira continua sendo por definição uma bebida composta por pelo menos 55% de cevada maltada, podendo ter até 45% de adjuntos cervejeiros, ou seja, outros ingredientes que podem ser usados na fabricação.

Segundo a nova regra, agora podem ser adicionados aos 45%, além dos clássicos cereais não maltados, produtos de origem animal, como leite e mel. Porém todos os adjuntos devem ser explicitados no rótulo da cerveja, para que o consumidor saiba de forma mais clara o que está consumindo.

A denominação e a classificação das cervejas está melhor definida, veja alguns dos nomes que aparecem no texto:

Cerveja Gruit: é apenas a cerveja na qual o lúpulo é totalmente substituído por outras ervas.

Cerveja sem Glúten: é a cerveja elaborada com cereais não fornecedores de glúten, ou que contenha teor de glúten abaixo do estabelecido em regulamento técnico específico.

Cerveja de Múltipla Fermentação: é permitida apenas para a cerveja que passe por outra fermentação, seja na garrafa, em tanques, ou em ambos.

Cerveja Light: cerveja cujo valor energético apresente teor máximo de 35 kcal/100 mL.

Chopp ou Chope: permitido apenas para a cerveja que não seja submetida a processo de pasteurização, tampouco a outros tratamentos térmicos similares ou equivalentes.

Cerveja Malzbier: apenas para a cerveja adicionada de açúcares de origem vegetal exclusivamente para conferir sabor doce.

Cerveja Puro Malte: quando elaborada a partir de um mosto cujo extrato primitivo provém exclusivamente de cevada maltada ou de extrato de malte.


Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados